Jacó e Esaú: A Verdade Sobre Esta História Polêmica

Tempo de leitura: 14 minutos

Jacó e Esaú são bem conhecidos pela forma como se relacionaram e a consequência que isso trouxe para a vida deles e do povo de Deus. Aqui você encontra a história completa com tudo o que você precisa saber sobre a história deles.

Jacó e Esaú - História Completa

Quem foi Jacó

Jacó foi um dos filhos de Isaque e Rebeca, fruto do milagre da fertilidade, já que Rebeca, sua mãe, era estéril. A sua história é contada na Bíblia em seu primeiro livro, Gênesis, entre o final do capítulo 25 e o capítulo 35, com a morte da sua esposa, Raquel. Ele também aparece na história do seu filho, José, entre os capítulos 37 e 50 (onde inicia narrando o seu enterro).

Era gêmeo de Esaú, porém, não foi o primogênito, já que Esaú nasceu primeiro e Jacó, por sua vez, nasceu agarrado ao calcanhar do irmão (Gn 25:26).

História de Esaú e Jacó

Dos filhos de Isaque e Rebeca, Jacó era o predileto de sua mãe, porém, Esaú, seu irmão, era o preferido do seu pai.

Esaú era um caçador nato e muito desse seu ímpeto para a caça fez com que surgisse a predileção de Isaque por seu filho mais velho, enquanto a de Jacó com a mãe fez com que a empatia de Raquel atingisse majoritariamente a Jacó.

Porém, na época em questão, o valor da primogenitura era muito forte e a bênção do pai, antes da sua morte, era algo valioso entre os filhos. Por isso, certa feita, Es, comaú chegou na sua tenda cansado após uma longa e cansativa jornada de caça. A fome de Esaú era tanta que, segundo o próprio, ele estava capaz de morrer de fome (Gn 25:32). Naquela ocasião, Jacó havia feito um prato de lentilhas e estava disposto a oferecer a Esaú, entretanto, antes de ceder o alimento ao seu irmão, Jacó negociou a primogenitura com Esaú e tomou posse dos direitos, verbalmente.

“Disse Jacó:” É, mas você tem de dar a sua palavra diante de Deus.” Esaú deu a palavra, vendendo os seus direitos de filho mais velho ao irmão mais novo. Depois de feito o negócio, Jacó deu pão e cozinhado de lentilhas a Esaú. Ele comeu, bebeu e foi embora. Assim Esaú jogou fora os seus direitos de filho mais velho, e não deu a menor importância a isso!” – Gênesis 23:33-34 (VIVA)

Tempos depois, próximo a sua velhice, Isaque chamou a Esaú para o conceder as bênçãos do primogênito. Para isso, pediu para que antes, o seu filho mais velho caçasse um animal e preparasse um guizado, que nada mais é um cozido, após ser servido, Isaque concederia a Esaú as bênçãos da primogenitura. Contudo, como falamos, Rebeca tinha preferência por Jacó e ouvindo que Isaque concederia as bênçãos a Esaú, tramou um plano para evitar.

Raquel chamou Jacó e propôs que ele se passasse pelo seu irmão, entretanto, ele contestou o fato de ser liso, diferentemente do seu irmão, repleto de pelos. Raquel resolveu a situação colocando casacos de Esaú em Jacó, pois faria com que Jacó, durante aquele momento, ficasse peludo, e que Isaque reconhecesse o seu filho predileto pelo odor, sendo assim, enganado por sua esposa e filho mais novo.

A princípio, Isaque desconfiou da situação, porém, ele não conseguia enxergar, devido a sua idade avançada. Ele até reconheceu a voz de Jacó, mas pediu para que o filho se aproximasse. Ao tocar e sentir o cheiro, chegou a conclusão de que era Esaú e abençoou Jacó, por equívoco da seguinte forma:

“Jacó se aproximou e beijou o pai. Isaque sentiu o cheiro da roupa do rapaz, e se decidiu finalmente a dar a bênção a ele. Disse Isaque: ‘O cheiro do meu filho é o bom cheiro da terra e dos campos que o Senhor abençoou. Que Deus lhe dê sempre a chuva necessária, terra produtiva, grandes colheitas de cereais e muito vinho novo. Que muitos povos sejam seus escravos. Que você domine os seus irmãos. Que os seus parentes se inclinem diante de você. Maldito todo aquele que amaldiçoar você, e abençoado seja todo aquele que abençoar você.’” – Gênesis 27:27-29

Algum tempo depois, Esaú chegou da caça e foi solicitar a bênção ao seu pai que, por sua vez, descobriu a farsa de Jacó e comunicou a Esaú que ficou consternado e odiou o seu irmão. Pediu alguma bênção ao seu pai que lhe disse:

“Sua vida não será fácil. Morará em terras áridas, onde falta até o orvalho. Você terá de ganhar a vida com a sua espada, e terá de servir a Jacó, seu irmão. Mas chegará o dia em que você conseguirá escapar das correntes e ficar livre”. – Gênesis 27:39-40 (VIVA)

Ouvindo isso, Esaú decidiu esperar a morte de seu pai, Isaque, e depois matar seu irmão. Sabendo da decisão de Esaú, Rebeca, a contou a Jacó e o aconselhou fugir para as terras de seu tio, Labão, a fim de que preservasse a sua vida. Isaque, sabendo da decisão do seu filho de fugir, pediu ao seu filho que não tomasse por esposa nenhuma mulher da sua terra atual, e sim, das terras de Labão.

Em sua primeira noite de peregrinação, ao dormir, Jacó teve uma visão e nela Deus falou com ele, afirmando que aquela terra na qual ele estava deitado seria dele.

Pouco depois, Jacó chega a Harã, terra de seu Tio Labão, e ao parar no poço encontra Raquel, filha de Labão, dando de beber para as ovelhas do rebanho de seu pai. Ele não tarda a se apaixonar por Raquel e se apresenta como primo. Raquel então leva Jacó para conhecer Labão e ele conta tudo que o aconteceu durante o trajeto atá Harã. Labão, aparentemente contente, recepciona de bom grado o sobrinho e lhe diz que não o deixará trabalhando de graça, então, ambos acordam que Jacó trabalharia durante sete anos cuidando do gado de Labão que por sua vez, após o período, concederia a mão de Raquel a Jacó em casamento.

A história conta que Jacó era tão apaixonado por Raquel, que aqueles sete anos passaram-se como dias, entretanto, Raquel tinha uma irmão mais velha, Lia. E a tradição da época dizia que a irmã mais nova poderia se casar apenas após a irmã mais velha. Então, no dia do casamento, Labão dá Lia para Jacó e não Raquel, como combinado. Na manhã seguinte, Jacó repara que foi lhe concedida a mão da irmã errada e vai cobrar satisfações de Labão que explica a tradição de se casar a filha mais nova primeiro. Sendo assim, ficou acordado entre ambos que ele casaria com Raquel, mas em contrapartida, trabalharia mais sete anos para Labão. E o trato foi feito.

Porém, Jacó era apaixonado por Raquel e não tinha afeição alguma por Lia, que se sentia desprezada. Por outro lado, Raquel era estéril e Lia concedeu o primeiro filho de Jacó, Rubén.

Com isso, criou-se uma rivalidade entre as irmãs que culminou em disputa por quem tinha mais filhos, filhos gerados por servas das esposas e, finalmente, um filho gerado por Raquel, José. Ao todo, Jacó teve doze filhos e uma filha.

O tempo se passou e ele queria ir embora, porém, a sua administração do rebanho de Labão cresceu sobremaneira a ponto de seu tio não aceitar a sua decisão de partir. Entre pactos e acordos, até uma parte do gado é cedido a Jacó.

Entretanto, o próprio Deus falou para Jacó voltar a terra dos seus pais. Ele então, reparando que não era mais bem-vindo a família de Labão decide pegar os seus bens, esposas e filhos e partir. Mas nisso, Raquel leva os ídolos da casa de seu pai, o que deixa Labão furioso e faz com que ele passe a perseguir Jacó;

Num sonho, Deus fala a Labão para não matar Jacó e ao encontrar o seu sobrinho, Labão resolve fazer um pacto de amizade.

Após isso, Jacó segue viagem com os seus bens e família, rumo a terra de seu pai, Isaque, já falecido. Estando próximo, pede a um mensageiro avisar sobre o seu retorno a Esaú, porém, fica com medo da reação de seu irmão, por isso, separa o seu rebanho em dois para que caso Esaú o atacasse, pelo menos um sobrevivesse.

Enquanto isso, durante uma noite, Jacó lutou contra um anjo durante muito tempo. Quando percebeu que ele não resistiria, o anjo tocou na articulação da coxa de Jacó e pediu para o permitisse ir. Disse que apenas o deixaria se aquele anjo o abençoasse. Naquele momento, o anjo mudou o nome de Jacó para Israel, pois ele lutou com Deus e com homens e venceu. Após isso, batizou o lugar de Peniel, pois ali ele ficou face a face com Deus.

Tempos após, Jacó avistou Esaú com um exército de quatrocentos homens e temeu o rancor de seu irmão, porém, quando Esaú chegou, Jacó percebeu que o ódio havia esvaído e que Esaú havia prosperado tanto quanto Jacó.

Os dois reataram a amizade.

Jacó (ou Israel) tem o seu nome mencionado ainda após essa história, porém, apenas em trechos da história de José, seu filho com Raquel. Porém, os capítulos onde conta mais efetivamente a sua história e peregrinação, mostra que o poder de Deus na transformação das pessoas e como ele pode escrever certo por linhas tortas, pegando aquilo que fazemos de errado e transformando mediante a sua vontade.

Jacó e Esaú Para Crianças (para colorir)

Como contar a história de Esaú e Jacó para crianças

Bem, como tentamos resumir a história no tópico anterior, não vamos a recontá-la de uma forma lúdica, mas você pode transferir essa forma de escrita contando a história de Jacó em estilo de conto. Porém, você também pode trabalhar em cima de uma conclusão e o mais indicado nesse caso é abordar sobre o perdão.

Mostre para as crianças que muitas vezes na nossa vida erramos conosco e com o nosso próximo e, assim como ele, fugimos das nossas consequências. Mostre também que o perdão supera tudo, como foi visto no final da história, onde Esaú e Jacó rasgam toda a adversidade do passado e voltam a viver como irmãos.

Podemos também abordar com as crianças sobre o esmero em nossos trabalhos com amor, pois a Palavra afirma que Jacó trabalhou por sete anos para Raquel, mas ele o amava tanto que esses anos passaram-se como dias. Claro que não é aconselhável focar na parte romântica da história, mas podemos abordar que se fizemos as coisas com esmero e amor, principalmente se fizermos com o foco no Senhor, o nosso trabalho nunca irá nos desgastar.

Outra abordagem interessante é sobre o valor das coisas que importam, pois Esaú vendeu a sua primogenitura por um cozido de lentilhas e não deu valor para o quanto valia, na época a bênção do primogênito. Hoje, uma bênção dessa, aparentemente, não vale nada, porém, muitas vezes trocamos coisas muito valiosas por pratos de lentilhas.

Ou seja, abrimos mão da nossa moral e de nossos sentimentos por coisas materiais e passageiras.

Por fim, também, pode ser usada a abordagem da mentira, quando ele, sob conselho de Rebeca, passa pelo seu irmão para conseguir a primogenitura. Como uma mentira pode mudar uma história: ele fugiu, Esaú o odiou e passaram-se longe durante uma boa parte da vida.

Porém, podemos também usar o que foi comentado no final do tópico acima, a soberania de Deus que faz coisas fantásticas através de erros humanos aparentemente irreparáveis.

Estudo Bíblico Sobre Jacó

Caso você queira fazer desta história um estudo bíblico para aplicação em sua célula, pequeno grupo, ministério etc, é importante que façamos um “check list” com as seguintes informações:

Qual Significado do Nome de Jacó e Israel

  • Significado de Jacó: Suplantador; Aquele que pisa, espezinha, derruba (muito pelo caso de ele ter nascido agarrado ao calcanhar de seu irmão, Esaú)
  • Significado de Israel: Aquele que lutou com homens e com Deus, e venceu (nome dado por um anjo do Senhor após passar uma madrugada lutando com Jacó)

Aonde se Encontra a História de Jacó na Bíblia:

A história da vida dele é contada mais especificamente entre Gênesis 25:21 até Gênesis 33, após isso, Jacó passa a ser uma espécie de coadjuvante, primeiramente, na história de sua filha Diná, em Gênesis 34 e, após isso, da história de seu filho José, até Gênesis 50, onde é relatado o seu sepultamento.

Principais Tópicos da História de Jacó na Bíblia

  • Nascimento: Gênesis 25:24-26
  • Venda da Primogenitura de Esaú para Jacó: Gênesis 25:27-34
  • Jacó engana Isaque: Gênesis 27:1-41
  • Fuga para as terras de Labão: Gênesis 27:42-46 e Gênesis 28:1-9
  • Sonho: Gênesis 28:10-22
  • Chegada a terra de Labão: Gênesis 29:1-8
  • Jacó conhece Raquel: Gênesis 29:9-20
  • Casamento de Jacó: Gênesis 29:21-31
  • Divergência entre Raquel e Lia: Gênesis 29:32-35 e Gênesis 30:1-21
  • Raquel tem José: Gênesis 30:22-26
  • Jacó foge das terras de Labão: Gênesis 31
  • Jacó luta com um anjo: Gênesis 32:22-32
  • Encontro de Jacó e Esaú: Gênesis 33

O Que Aprendemos com a História de Jacó?

Como a grande maioria das histórias (principalmente bíblicas), aprendemos com esta história que todo ato tem a sua consequência.

Jacó mentiu para o seu pai e enganou o seu irmão e, como consequência disso, gerou ódio a Esaú e teve, para se proteger, fugir de casa. Entretanto, após isso, podemos perceber nitidamente a misericórdia de Deus na vida de Jacó: o guiando para a terra de Labão, o fazendo encontrar a mulher da sua vida e fazendo com que os negócios de Labão, administrados por Jacó, prosperassem.

Cerca de 20 anos depois da fuga de Jacó, há o encontro com Esaú e o aprendizado que o perdão é o maior dos remédios. Esaú poderia guardar rancor de seu irmão, mas ao se encontrarem, os dois se abraçaram e choraram juntos.

Com isso, a vida de Jacó nos ensina a mesmo se errarmos e as nossas falhas nos gerarem um montante de obstáculos, as bênçãos de Deus sempre estarão em nosso favor. Deus nos transforma através da sua vontade boa, perfeita e agradável e o tempo é o maior mecanismo usado para que o Senhor nos molde mediante a sua vontade.

O perdão e o arrependimento são bênçãos que só são geradas se o Espírito de Deus estiver no controle, pois é algo que vem apenas dele próprio.

O que você achou deste estudo bíblico? Deixe seu comentário queremos saber o que você achou, compartilhe com seus amigos para que mais vidas sejam abençoadas para a glória de Deus!

Summary
Review Date
Reviewed Item
Jacó e Esaú ➔ A Verdade Sobre Esta História Polêmica
Author Rating
51star1star1star1star1star

1 comentário

  1. Nádia Lúcia V. Klein

    Gostei muito da forma com que o assunto foi abordado e explicado… parabéns!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *